Log In | Contact Us | View Cart (0 items)
Browse: Collections Digital Content Subjects Creators Record Groups

Mário Domingues(documento)

Visão Geral

Resumo

Âmbito e Conteúdo

Biographical Note

Informação Administrativa

Descrição Detalhada

Livro " Recordações do Café Royal"



Contact us about this collection

Mário Domingues(documento), 1960-1960 | Arquivo Histórico-Social / Projecto MOSCA

Por Paulo Guimarães

Printer-friendly Impressão | Email Us Contacte-nos sobre esta colecção

Visão geral da colecção ou fundo

Título: Mário Domingues(documento), 1960-1960Adicionar ao Seleccionador de Documentos.View associated digital content.

Datas Predominantes:1960

ID: C/DMa/CDM

Entidade produtora: Domingues, Mário (1899-1977)

Dimensão: 1.0 Caixas

Organização: Esta documentação foi instalada numa pasta na caixa 58 da BNP N61.

Data de incorporação: 00/00/1980

Línguas: Português

Resumo

Mário Domingues foi um mestiço natural da ilha do Príncipe que viveu toda a sua vida em Lisboa, residindo nos últimos anos na Costa da Caparica. Profissionalmente, foi jornalista (nomeadamente do jornal “A Batalha”) e escritor prolixo

A documentação consiste unicamente numa reprodução da brochura de Mário Domingues  intitulada “Recordações do Café Royal” (1959), que terá pertencido a Alexandre Vieira.

Âmbito e conteúdo

Esta brochura foi instalada numa pasta na caixa 58 ("outros militantes").

Nota Biográfica

O escritor e jornalista Mário Domingues nasceu na Ilha do Príncipe em 1899 e faleceu no dia 24 de Março de 1977, na Costa da Caparica. Tinha então 19 anos de idade e ideias que se casavam perfeitamente com o anarquismo, quando se aproximou dos anarquistas. Trabalhou depois no diário anarco-sindicalista A Batalha, colaborou no jornal anarquista A Comuna, do Porto, formando um grupo libertário com Cristiano Lima, David de Carvalho e outros. Fez parte da revista Renovação e ajudou a organizar o congresso anarquista da UAP com grande entusiasmo. Com o 28 de Maio de 1926 foi envolvido pela comercialização do jornalismo e voltou-se para a história, escrevendo mais de uma dezena de volumes. Antes, porém, publicou: Hugo, o Pintor, (1922); Delicioso Pecado (1923); A Audácia de um Tímido (1923); Entre Vinhedos e Pomares, (1926); O Preto de Charleston (1930), entre outras obras. Viveu do que escrevia e esse facto, somando aos seus complexos de cor, levaram-no a abusar da bebida e a cometer erros dentro do movimento libertário. No entanto, quando apareceu a Voz Anarquista, escreveu uma carta ao seu director, onde declarava com o mesmo entusiasmo do jovem que fora: "Agora, mais do que nunca, é preciso proclamar bem alio que o anarquismo não é a desor¬dem, a violência e o crime, como as forças reaccionárias têm querido qualificá-lo. Urge desfizer essa lenda tenebrosa e demonstrar ao grande público, enganado por essas torpes mentiras, que o anarquista ama e defende o ideal supremo da ordem, exercida numa Sociedade edificada na Liberdade, na Fraternidade e na Justiça Social. A Voz Anarquista cabe essa sublime tarefa, recordando o exemplo de homens superiormente lúcidos como foram Proudhon, Eliseu Reclus, Sebas- tien Faure, Bakunine, Kropotkine, Neno Vasco, Pinto Quartin, Campos Lima, Cristiano Lima, Aurélio Quintanilha e outros propositadamente esquecidos, que abriram aos homens o Caminho da Liberdade". (19-2-1975).

Informação administrativa

Restrições de comunicação: Esta documentação é de acesso livre.

Restrições de comunicação: Documentação de uso livre em papel ou digital sem fins comerciais, desde que referida na sua fonte o uso limitado pelas normas internas da Biblioteca Nacional de Portugal, pela legislação aplicável à documentação de arquivo, direitos de autor e proteção de dados pessoais.

Nota de restrições sobre o acesso físico: Este fundo não tem restrições de acesso físico.

Nota técnica sobre o acesso: Este fundo não tem restrições de acesso técnico.

Fonte de aquisição: Alfredo Ferreira

Método de aquisição: Este conjunto documental foi depositado na BNP como parte integrante do AHS.

Informação sobre avaliação: No inventário AHS (1982), a coleção “Outros militantes” compreende 1 caixa(s)

Nota sobre originais/cópias: Espólio integralmente digitalizado For more information please see http://mosca-servidor.xdi.uevora.pt/projecto/AHS_JPG/C_Militantes/CDM%20Mario%20Domingues/Livro/.

Citação: Portugal.Biblioteca Nacional/Arquivo Histórico-Social – espólio de Mário Domingues.(BNP.61. cxs. 58)

Revisões a este registo:

Neste arquivo digital, o núcleo “Outros militantes” foi reorganizado de acordo com a sua proveniência. Manteve-se, porém, o arranjo anterior da documentação na sua forma física.

A cópia digital desta coleção foi organizada e descrita, no âmbito do projeto MOSCA (2010-2013)


Listagem de conteúdos de caixas e pastas


Listagem por Documento:

[Documento DOC: Livro " Recordações do Café Royal", 1960],
[All]

Documento DOC: Livro " Recordações do Café Royal", 1960Adicionar ao Seleccionador de Documentos.View associated digital content.
Acessível em:: http://mosca-servidor.xdi.uevora.pt/projecto/AHS_JPG/C_Militantes/CDM%20Mario%20Domingues/



Page Generated in: 0.242 seconds (using 401 queries).
Using 11207088B of memory. (Peak of 11428240B.)

Powered by Archon Version 3.12
Copyright ©2010 The University of Illinois at Urbana-Champaign