Log In | Contacte-nos | Seleccionar Documentos (0 itens)
Navegar por: Colecções Conteúdos Digitais Assuntos Produtores Classificação

Alves, João Vieira (_1971) | Arquivo Histórico-Social / Projecto MOSCA

Nome: Alves, João Vieira (_1971)
Nome Completo: João Vieira Alves


Nota Biográfica: É difícil configurar, num espaço tão pequeno, um homem cujo ideal era tão grande. Vieira Alves nasceu na Figueira da Foz e foram palco da sua acção Porto, Coimbra e Lisboa, sem falar das prisões por onde passou, inclusivé a fortaleza de Angra do Heroísmo, na Ilha Terceira, Açores, que lhe apressou a cegueira aos 37 anos de idade. Neste pardieiro cumpriu 5 anos de deportação por sentença do Tribunal Militar do Porto. Anarquista dos mais cultos, Vieira Alves teve uma actuação na imprensa e nas organizações anarquistas, das mais relevantes. Enquanto via, fez parte do grupo anarquista "Os Rebeldes" de Coimbra com Arnaldo Simões Januário e José de Almeida. Tomou parte nos Congressos anarquistas, respondeu pela publicação do jornal Luz ao Povo, de Coimbra, em 1922, e juntamente com os operários Adolfo de Freitas, Darwin Castelhano e os professores Almeida Costa, Tomás da Fonseca, Aurélio Quintanilha, Manuel dos Reis e outros, inaugurou, em 5 de Fevereiro de 1925, a Universidade Livre de Coimbra. No ano de 1933 entrou na revista Repórter X e O Detective, tendo como colaboradores os anarquistas Álvaro da Silva e Sousa, Alberto Lima, José Soares Lopes e Reinaldo Ribeiro (Cláudio Revel). De regresso da deportação e cego, o libertário Vieira Alves procurou viver do seu trabalho tentando ser caixeiro de praça, livreiro ao fundar a "Bolsa do Livro" com a ajuda de vários companheiros de ideias, e, por fim, em 1958, fundou a Associação dos Cegos do Norte de Portugal, reunindo os deficientes visuais, dando-lhes uma honrosa ocupação e dignificando as suas vidas que antes se prolongavam à custa de esmolas. Sobre esse homem extraordinário — João Vieira Alves — poder-se-á dizer que o governo de Salazar conseguiu fazer dele um cego visual mas a sua mente continuou enxergando longe, humanitariamente, e as suas convicções ideológicas, anarquistas, não foram vencidas! Essas só as venceu a morte, em 30 de Março de 1971.
Fontes: E. Rodrigues (1982). A oposição Libertária em Portugal. 1939-1974. Lisboa. Sementeira.
Nota do Autor: E. Rodrigues (1982)




Page Generated in: 0.095 seconds (using 104 queries).
Using 8733824B of memory. (Peak of 8862144B.)

Powered by Archon Version 3.12
Copyright ©2010 The University of Illinois at Urbana-Champaign