Log In | Contacte-nos | Seleccionar Documentos (0 itens)
Navegar por: Colecções Conteúdos Digitais Assuntos Produtores Classificação

Quartin, António Pinto (1887-1970) | Arquivo Histórico-Social / Projecto MOSCA

Nome: Quartin, António Pinto (1887-1970)
Nome Secundários: Pinto Quartim
Nome Completo: António Tomás Pinto Quartin


Nota Biográfica:

Pinto Quartin nasceu na Rua S. Luís Gonzaga, em São Cristóvão, Rio de António Tomás Pinto Quartin (Rio de Janeiro, 15 de Janeiro de 1887 — Lisboa, 7 de Fevereiro de 1970), mais conhecido por Pinto Quartim, foi um intelectual e activista, defensor e divulgador da doutrina anarquista , autor de vários opúsculo sobre temática anarquista, que se notabilizou pela sua ligação ao movimento operário e como dinamizador de projectos culturais e jornalísticos como os periódicos O Protesto - Guerra Social (1908-1909) e Amanhã (1909). Foi ainda fundador e principal redactor do jornal libertário Terra Livre (1913) e chefe de redacção de A Batalha (1919), órgão da Confederação Geral do Trabalho. Foi também diretor da publicação periódica Ámanhã : revista popular de orientação racional(1909)

António Pinto Quartin nasceu no Brasil, filho de pais portugueses, Brás Leão Soares Quartin (Viana do Castelo, 1856 - 1899) e sua mulher Guilhermina Augusta Pinto de Castro (Viana do Castelo - ?), e irmão de Carmen Pinto Quartin e Orquídea Pinto Quartin. Foi seu padrinho de baptismo o primo-irmão de seu pai, António Tomás Quartin, 1.º e único Barão de Quartin1 . Mantendo a nacionalidade brasileira acompanhou os pais quando estes se fixaram em Portugal , inscrevendo-se em 1905 no curso de Direito da Universidade de Coimbra. Em Coimbra aderiu ao ideário republicano, militando nas facções mais extremas. Em 1907 foi expulso da Universidade por um ano e obrigado a exilar-se no Brasil por ter sido um dos participantes nas greves estudantis contra o governo de João Franco que ficaram conhecidas pela Questão Académica. O seu envolvimento nestes acontecimentos e a sua actividade política, em particular a escrita nos jornais, não permitiram a continuação dos estudos, passando a trabalhar como jornalista . Em Lisboa, apesar da sua origem social burguesa, integrou-se nos meios intelectuais ligados à extrema-esquerda e ao republicanismo anarquista, sendo um dos principais dinamizadores da presença anarquista na imprensa, fundando, editando e dirigindo diversos periódicos anarquistas. Em 1913, já em plena vigência do regime republicano, foi novamente expulso para o Brasil, acusado de ingerência na política portuguesa sendo cidadão brasileiro. Nesta segunda expulsão foi acompanhado pela mulher, Deolinda Lopes Vieira, uma professora do ensino primário ligada às experiências pedagógicas do período da Primeira República Portuguesa, ao movimento feminista e às escolas anarquistas . Regressou a Portugal em 1915. Viveu em Angola entre 1930 e 1936, colaborando na imprensa de Luanda e de Nova Lisboa. Foi pai de Orquídea Vieira Quartin, de Hélio Vieira Quartin (Lisboa, 21 de Novembro de 1916 - Almada, Almada, 25 de Dezembro de 2003) e da actriz Glicínia Quartin. Pinto Quartin é lembrado na toponímia da cidade de Lisboa, tendo uma Rua com o seu nome

Nota do Autor: wikipedia




Page Generated in: 0.095 seconds (using 104 queries).
Using 8738144B of memory. (Peak of 8869840B.)

Powered by Archon Version 3.12
Copyright ©2010 The University of Illinois at Urbana-Champaign