Log In | Contacte-nos | Seleccionar Documentos (0 itens)
Navegar por: Colecções Conteúdos Digitais Assuntos Produtores Classificação

Francisco Bento da Cruz (1890-1929) | Arquivo Histórico-Social / Projecto MOSCA

Nome: Francisco Bento da Cruz (1890-1929)


Nota Biográfica: Nasceu no Porto em 1890 e faleceu com 39 anos. Sobre este militante anarquista, A Comuna, do Porto, dedicou mais de meia página. Desenvolveu a sua acção inicialmente na antiga Federação das Associações Operárias, ao tempo na rua do Almada. As ideias apaixonavam e os debates desencadeavam paixões com a violência proveniente de uma natural questão de princípios, e Bento da Cruz, embora jovem, já se revelava um trabalhador consciente, como delegado da extinta Asso-ciação dos Fabricantes de Calçado de Fancaria. Ao constituir-se a União Geral dos Trabalhadores da Região do Norte, Bento ta Cruz acompanhou essa entidade dando-lhe todo o seu saber e seu vigor de lutador libertário. No Congresso de Tomar, decide-se pela corrente sindicalista revolucionária, que distinguia com brilho. E quando do Congresso de Coimbra, ei-lo de novo na vanguarda da luta, como delegado dos operários Fabricantes de Calçado de Fancaria, defendendo com brilho'e sabedoria uma posição anarco-sindicalista, ajudando na preparação e votação do estatuto que constituiu a C.G.T.. Não media esforços para colaborar no aperfeiçoamento das ideias de emanci¬pação social.e humana que abraçara com desvelo. Pouco depois, ainda em razão de sua dedicação à causa do proletariado, é indicado como secretário geral do Sindicato Único de Calçado, Couros e Peles, nascido da fusão com a Associação dos Tamanqueiros, Fabricantes de Calçado de Fancaria, Surradores e Curtidores, nascido sob o impulso do Congresso de Coimbra realizado em 1919. Quando da morte prematura de Bento da Cruz, em Abril de 1924, aparecia nas páginas de A Comuna: "Bento da Cruz, marcando brilhantemente o seu lugar no movimento operário e anarquista, era ALGUÉM!" "Dotado dum temperamento ekcepcional, nas suas discussões com outros camaradas de diferentes tendências nunca se zangava, nunca se irritava, mostrando sempre a sua tolerância sem, contudo, abdicar das suas ideias".
Fontes: E. Rodrigues (1982). A oposição Libertária em Portugal. 1939-1974. Lisboa. Sementeira.
Nota do Autor: E. Rodrigues (1982)




Page Generated in: 0.096 seconds (using 104 queries).
Using 8733656B of memory. (Peak of 8861576B.)

Powered by Archon Version 3.12
Copyright ©2010 The University of Illinois at Urbana-Champaign