Log In | Contacte-nos | Seleccionar Documentos (0 itens)
Navegar por: Colecções Conteúdos Digitais Assuntos Produtores Classificação

Domingues, Mário (1899-1977) | Arquivo Histórico-Social / Projecto MOSCA

Nome: Domingues, Mário (1899-1977)
Nome Completo: Mário Domingues


Nota Biográfica: O escritor e jornalista Mário Domingues nasceu na Ilha do Príncipe em 1899 e faleceu no dia 24 de Março de 1977, na Costa da Caparica. Tinha então 19 anos de idade e ideias que se casavam perfeitamente com o anarquismo, quando se aproximou dos anarquistas. Trabalhou depois no diário anarco-sindicalista A Batalha, colaborou no jornal anarquista A Comuna, do Porto, formando um grupo libertário com Cristiano Lima, David de Carvalho e outros. Fez parte da revista Renovação e ajudou a organizar o congresso anarquista da UAP com grande entusiasmo. Com o 28 de Maio de 1926 foi envolvido pela comercialização do jornalismo e voltou-se para a história, escrevendo mais de uma dezena de volumes. Antes, porém, publicou: Hugo, o Pintor, (1922); Delicioso Pecado (1923); A Audácia de um Tímido (1923); Entre Vinhedos e Pomares, (1926); O Preto de Charleston (1930), entre outras obras. Viveu do que escrevia e esse facto, somando aos seus complexos de cor, levaram-no a abusar da bebida e a cometer erros dentro do movimento libertário. No entanto, quando apareceu a Voz Anarquista, escreveu uma carta ao seu director, onde declarava com o mesmo entusiasmo do jovem que fora: "Agora, mais do que nunca, é preciso proclamar bem alio que o anarquismo não é a desor¬dem, a violência e o crime, como as forças reaccionárias têm querido qualificá-lo. Urge desfizer essa lenda tenebrosa e demonstrar ao grande público, enganado por essas torpes mentiras, que o anarquista ama e defende o ideal supremo da ordem, exercida numa Sociedade edificada na Liberdade, na Fraternidade e na Justiça Social. A Voz Anarquista cabe essa sublime tarefa, recordando o exemplo de homens superiormente lúcidos como foram Proudhon, Eliseu Reclus, Sebas- tien Faure, Bakunine, Kropotkine, Neno Vasco, Pinto Quartin, Campos Lima, Cristiano Lima, Aurélio Quintanilha e outros propositadamente esquecidos, que abriram aos homens o Caminho da Liberdade". (19-2-1975).
Fontes: E. Rodrigues (1982). A oposição Libertária em Portugal. 1939-1974. Lisboa. Sementeira.
Nota do Autor: E. Rodrigues (1982)






Page Generated in: 0.181 seconds (using 176 queries).
Using 11110040B of memory. (Peak of 11260904B.)

Powered by Archon Version 3.12
Copyright ©2010 The University of Illinois at Urbana-Champaign