Log In | Contacte-nos | Seleccionar Documentos (0 itens)
Navegar por: Colecções Conteúdos Digitais Assuntos Produtores Classificação

Borghi, Armando (1882-1968) | Arquivo Histórico-Social / Projecto MOSCA

Nome: Borghi, Armando (1882-1968)


Nota Histórica:

Nascido em Castel Bolognese na Romagna em 7 de abril de 1882, embarcou nas suas atividades como militante anarquista com idade de 16. A sua obra principal meio século de anarquia que ele descreve com seu estilo sutil e espumantes os altos e baixos de sua vida frenética como ativista e propagandista. Relata como, em 1898, quando tinha apenas 16 anos de idade, e sem o conhecimento de seus pais, viajando para Ancona para assistir ao julgamento de Malatesta sobre as taxas de justificar a criminalidade e conspirar contra o Estado que surgiram a partir de ele ter publicado o semanário L'Agitazione em Ancona. Foi neste ponto que Borghi teve sua chance de ver Errico Malatesta na carne (como ele dizia) no banco dos réus. Ele concebeu um carinho ao longo da vida para Malatesta. A partir de então, Borghi foi até o pescoço na atividade e na luta.

Em 1900 estabeleceu-se em Bolonha e ali, após o assassinato do rei Umberto I por Gaetano Bresci (em 29 de julho 1900),  apoiou incondicionalmente o ato heróico, em contraste com os socialistas, republicanos e um pequeno grupo de anarquistas baseados em Roma, que tinham condenado a matança.

A sua primeira prisão aconteceu em Bolonha, em 1902, sobre a propaganda anti-militarista. Em abril de 1903,  ganhou as esporas como um orador público, mais uma vez em Bolonha, quando ele foi escolhido pelos anarquistas para tratar de um comício convocada para protestar em despesas militares. O jovem anarquista, então apenas 20 anos, deixou sua marca. Ele foi recebido à tribuna por Andrea Costa. Era o seu primeiro sucesso como orador público. tornou o porta-voz oficial dos anarquistas em todos os comícios. Um turbilhão de inúmeras prisões e julgamentos seguidos. O seu advogado de defesa de todos os momentos foi Pietro Gori, que sempre apareceu para seus ensaios. Armando Borghi foi preso durante uma manifestação em 1904 e passou vários meses na prisão de San Giovanni in Monte.

Em 1905, foi condenado novamente em Ravenna a uma pena de prisão de cinco meses por "incitação ao crime". Entre 1903 e 1906, ele passou mais tempo atrás das grades do que como um homem livre. Em maio de 1906 mal tinha saído da prisão, quando ele foi contratado em Ravenna como editor do L'Aurora , um anarquista semanal, assumindo o lugar de Domenico Zavaterro. Foi a partir das colunas de L'Aurora que ele censurou severamente o individualismo anarquista. Foi a partir da mesma plataforma em 09 de julho de 1906 que o assassinato de Borghi marcada Gaetano Bresci. Ele foi indiciado sobre este artigo vibrante que rendeu ao autor, bem como o editor-chefe de um ano atrás das grades.

Borghi viu a prisão novamente em Ravenna e, em seguida, em Piacenza. Ele foi libertado no início de julho de 1907. Foi neste ponto que ele concordou em assumir um cargo como o comércio agitador sindical. Ele foi convidado para integrar o secretariado do Bologna e do Distrito Sindicato da Construção. No entanto, ele não foi convertido, quer para o sindicalismo ou anarco-sindicalismo, mas permaneceu de forma abrangente e anarquista full-bloodedly. Mas achei que seria útil para misturar com os trabalhadores, a fim de lutar pela sua emancipação. O Bologna Construção União não era filiado à CGL (Confederação Geral do Trabalho), mas pertencia, assim como muitas outras organizações, para o Comitê Nacional de Ação Direta.

Borghi ficou em Bolonha como secretário da União de construção por mais de três anos e, junto com Giuseppe Sartini, representou a antiga Câmara de Trabalho que foi independente da CGL . Mas, mesmo assim, ele não negligenciou propaganda anarquista. Quando, em 13 de outubro de 1911, soldado Augusto Masetti disparou um tiro no chão desfile do quartel Cialdini em Bolonha em seu coronel por meio de um protesto contra a guerra na Líbia, enquanto gritando "Abaixo a guerra! Viva a anarquia! ", Armando Borghi e Maria Rygier imediatamente compôs uma edição especial da L'Agitatore acolher a ação do soldado rebelde.

O artigo de Borghi foi intitulado "revoltas anarquistas brilha através da violência da guerra." O jornal foi apreendido e um round-up de anarquistas começaram. Maria Rygier foi o primeiro a ser preso. Borghi escapou pela pele de seus dentes e fugiu para Paris.

Ele permaneceu no exterior até o final de dezembro de 1912, envolvendo-se em propaganda anti-militarista ativa, dando palestras na França e na Suíça. Depois que o governo italiano ofereceu uma anistia para marcar a conclusão de um tratado de paz com a Turquia, ele voltou para a Itália. No outono de 1912, a União Sindicalista italiana ( USI ) tinha sido lançado na Itália. Deve-se notar que Borghi, no exílio na França na época, não tinha mão no lançamento da USI , mas filiado a ele, na qualidade de organizador para os sindicatos independentes da CGL .

O que nos leva a "Semana Vermelha". Um comitê de campanha nacional prometeu manifestações de protesto em toda a Itália em protesto contra o militarismo, os batalhões disciplinares e para pressionar pela libertação de Augusto Masetti. Estes foram marcadas para o primeiro domingo de junho.

Após um comício em Ancona - dirigida por Malatesta - houve confrontos entre a multidão ea polícia, e três jovens manifestantes foram mortos. A greve geral foi convocada em todas as grandes cidades da Itália. No Marchas e na região de Romagna, a greve tomou a forma de sair e insurreição fora. A traição dos líderes da CGL impediu o levante revolucionário de marcar o sucesso que merecia. A reação do governo logo ganhou a mão superior. Malatesta conseguiu escapar de prisão e fugiu para Londres. Em 7 de junho Borghi estava falando em Florença. No momento em que ouviu das mortes de três jovens em Ancona que ele fez para a Romagna para fazer sua parte no levante. Para sua grande surpresa, desta vez ele não foi preso.

Em agosto de 1914, a Grande Guerra eclodiu. De acordo com os seus princípios básicos anarquistas, Borghi imediatamente declarou sua oposição à guerra.

De Ambris, Corridoni e Masotti e outros USI líderes esperava "converter" as USI sindicatos filiados à causa intervencionista. Eles chamaram um congresso geral da USI em Parma, em Setembro de 1914. Borghi firmemente defendeu a necessidade da USI para sair contra a guerra. As USI ramos aprovou resolução de Borghi por uma maioria esmagadora. Borghi assumiu o secretariado da União sindicalista italiano. A USI mudou sua sede para Bolonha e, posteriormente, o tempo de Armando Borghi foi inteiramente consumida pela propaganda anti-guerra. Mas não por muito tempo - porque depois de Maio de 1915 - quando a Itália entrou na guerra - ele foi internado em Impruneta, uma pequena cidade perto de Florença e mais tarde em Isernia no Abruzzi.

Quando a guerra acabou em novembro de 1918, Borghi retomou suas atividades como USI secretário e diretor do semanário Guerra di Classe . Sempre ao seu lado como um colaborador inestimável e esposa amada era Virgilia D'Andrea. Muito ativo durante o custo das campanhas vivendo em julho de 1919, Borghi foi, um agitador zelo ativo, e não apenas no seu sindicato capacidade de organizador, mas também, de fato, principalmente, como um anarquista fervoroso.

No final de dezembro de 1919, Errico Malatesta voltou para a Itália e em Milão ele correu o jornal umanità Nova . Borghi e Malatesta estavam no mesmo comprimento de onda e suas respectivas unidades propaganda trouxe o povo italiano para realizações revolucionárias cruciais como as ocupações de fábricas em agosto-setembro de 1920.

Armando Borghi não estava na Itália naquele momento. Em maio de 1920, ele havia deixado para a Rússia a convite da liderança bolchevique, ansiosos para falar com um representante da USI e, se possível, com a sua secretária. Foi uma viagem particularmente aventureiro, conforme detalhado no meio século de anarquia . Em Moscou Borghi teve uma audiência no Kremlin com Lenin. Lenin perguntou se ele se opuseram ao centralismo e Borghi respondeu: "Você tem esse direito. ? Como pode qualquer anarquista ser a favor do centralismo "Para que Lenin retrucou:" A liberdade não deveria ser a morte da revolução "Borghi respondeu com:".. Na ausência de liberdade, a revolução seria um horror "A conversa prosseguiu calmamente.

Aprender das ocupações de fábrica de volta para casa, Borghi correu homewards. Esta segunda jornada trouxe para Milão até 20 de Setembro, altura em que as organizações sindicais reformistas havia ordenado as fábricas a recuar em 17 de setembro. Não havia nada que ele pudesse fazer, então, mas ele recusou um convite do governo de que ele participar, como representante da USI , uma comissão de elaboração de uma lei sobre o controle dos trabalhadores. Enquanto isso, o governo foi reprimir fortemente novamente.

Em outubro, Borghi, Malatesta e outros anarquistas foram presos em nenhuma acusação particulares. Na prisão de San Villore em Milão, em 14 de março de 1921, Malatesta, Borghi e Quaglino lançou uma greve de fome para forçar as autoridades judiciais para definir uma data para o julgamento. Depois de nove meses de prisão em prisão preventiva, no final de julho de 1921, eles foram trazidos para o julgamento às Assizes no Milan. Todos os acusados ​​foram libertados. Malatesta e Borghi tinha oferecido uma defesa zelosa de si mesmos.

O fascismo foi agora em ascensão e as vidas de militantes antifascistas estavam na balança. Borghi e Virgilia D'Andrea estavam recebendo constantemente ameaças de morte.

Armando Borghi lutou contra os fascistas, promovendo a "Aliança do Trabalho", na tentativa de erguer um obstáculo no caminho da vitória fascista. Mas, após a Marcha sobre Roma, em Outubro de 1922, todas as tentativas de combater o fascismo foram em vão. Junto com Virgilia D'Andrea, Borghi teve que deixar a Itália em 1923 e foi para o exílio, primeiro em Berlim e depois em Paris.

Na França, ele continuou sua luta contra o fascismo. Ele escreveu seu primeiro volume de memórias Itália entre duas crises . Foi publicado em Paris em julho de 1924. Em outubro de 1926, Borghi deixou a França para os Estados Unidos. Ele chegou para encontrar a campanha de Sacco e Vanzetti no auge. A convite de seu comitê de apoio, ele deu várias palestras e apareceu nas reuniões. Mas, mesmo nos Estados que não podia escapar à prisão e julgamento e muitas vezes foi liberado mediante o pagamento de fiança enormes. Um contribuinte ativo para L'Adunata dei REFRATTARI muitas vezes ele assinava seus artigos com o pseudônimo, com a polícia sempre no seu encalço. Virgilia D'Andrea estava sempre ao seu lado. Ela era um propagandista ativo e um orador público bem. Mas em 12 de maio de 1933, ela morreu ainda muito jovem.

Nos Estados Unidos, Borghi iniciou amizade com Gaetano Salvemini e Arturo Toscanini e seu filho, Walter. Após a queda do fascismo, ele voltou para a Itália, o desembarque em Nápoles, em outubro de 1945. Embarcar imediatamente após uma turnê de palestras frenético.

Em 1946, ele visitou todas as grandes cidades da Itália - Roma, Bolonha, Ancona, Milão, Carrara, etc Em dezembro daquele ano, seu carro colidiu com um caminhão. Ele saiu com ferimentos graves na cabeça e algumas costelas quebradas, mas seus companheiros de viagem saiu ileso. Ele passou um longo tempo no hospital em Ravenna, seguido de uma longa convalescença. Ele permaneceu na Itália até março de 1948, envolvendo-se em propaganda ativa e ofereçam os seus camaradas o benefício de sua longa experiência e seu conhecimento profundo dos vários problemas enfrentados pelo movimento anarquista. Então ele sentiu o desejo de voltar para os Estados Unidos, cansado de sua frenética, estilo de vida agitado na Itália. Ele ficou no EUA até 1953, retornando para a Itália naquele ano e estava em perfeita saúde quando ele participou do mar 1953 congresso da Federação Anarquista Italiana ( FAI ), em Civitavecchia.

Mais uma vez, Armando foi o centro do movimento anarquista italiano que estava experimentando um renascimento promissor. Ele se estabeleceu em Roma, ajudando Gigi Damiani e Umberto Consiglio em trazer para fora umanità Nova . Ele permaneceu na Itália e depois que suas atividades eram realmente benéfico para o movimento. Durante doze anos, até outubro de 1965, a presença de Armando Borghi em umanità Nova na forma de seus artigos animadas, vivazes, deixou uma marca indelével. Morreu em 21 de abril 1968.

Fontes: Le Monde Libertaire, Paris, n º 725, 10 de novembro de 1988. Traduzido por: Paul Sharkey
Nota do Autor: Le Monde Libertaire






Page Generated in: 0.099 seconds (using 104 queries).
Using 8949248B of memory. (Peak of 9127440B.)

Powered by Archon Version 3.12
Copyright ©2010 The University of Illinois at Urbana-Champaign